Laboratório e Consultoria São Carlos

Laboratório e Consultoria São Carlos
Tanatopraxia Somatoconservação e Produtos

ANEF

ANEF
Associação Nacional de Empresas Funerárias

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

A busca pela excelência


Imagens da internet
Organizações e pessoas buscam a cada dia melhorar seus processos e rotinas.
Com início no final da década de 1980, a difusão de programas que avaliam a qualidade, a produtividade dos processos, foi sendo alvo das empresas mais arrojadas.
O objetivo desses programas seja na modalidade que for, ambiental, social ou processos, entre outros, são o aperfeiçoamento pela repetição e a melhoria continua pelo emprego de procedimentos padrões.
As grandes empresas buscam parceiros com certificação por ser mais confiável seus processos pela utilização de normas descritas e documentadas.
As avaliações podem ser internas e externas, as internas são feitas pelos próprios colaboradores da organização, onde após treinamento aplicam indicadores e medidores de índices, semelhante processo ocorre com os avaliadores externos, que são contratados pela empresa a ser certificada que aplicam questionários de avaliação.
Quem recebe tais certificados passa a ostentar esses títulos como diferencial dentro daquele modelo, mostrando para seus clientes e mercado que essa organização é diferenciada.
A lisura do processo, na maior parte das vezes é confiável, mas não impede que haja certificação que não correspondem à realidade, uma vez que o papel aceita tudo, como bem sabemos.
Processos gerenciais por exemplo, levam em conta desde os fornecedores até a forma do descarte do material utilizado, passando pelo atendimento aos clientes internos e externos. Significa dizer que a compra de material deve ser avaliado, assim como o que se faz com o que sobra, mas o pagamento dos fornecedores em dia, também faz parte da avaliação, o recolhimento do FGTS dos funcionários, o pagamento por fora ou até a chamada marreta, muito utilizada em certos segmentos, onde o funcionário recebia 50% do valor majorado, seguindo pelas compras de produtos sem nota fiscal, contratação irregular de mão de obra e por ai vai...
Claro que o avaliador externo não tem como verificar certas questões, se essas forem escondidas, mas como o objetivo mais importante para a instituição avaliada não é o certificado, que é uma consequência, mas sim o aprimoramento dos processos, mas alguns não entendem muito bem, buscando mais o “parecer ser”, do que ao invés disso o “SER”.
As organizações que utilizam o sistema de avaliação apenas com esse objetivo, de mostrar o que não é, rapidamente são descobertos, pois deixam rastros de incompetência em seus processos, no segmento funerário vai desde a compra sem critério até a troca de cadáveres, enquanto as empresas que investem no aprimoramento dos processos estão fadadas ao sucesso, não que essas não possam ter problemas, inclusive financeiros, mas certamente poderão avaliar e corrigir suas rotas mais facilmente, por conhecer mais profundamente seus processos, gargalos, pontos fortes e fracos entre outros fatores.
Lembro que no passado, enquanto Presidente de entidades de classe patronal, que algumas organizações solicitavam declarações de probidade, como se fosse uma espécie de “ISO declaratório”, o que por falta de certificação setorial, apresentávamos a ausência de reclamação, principalmente no meio das prestadoras de serviços de Assistência, as chamadas Plataformas, que ao longo do tempo muitos problemas de pagamentos as funerárias se amontoavam.
As organizações que realmente são sérias e idôneas, cobram não apenas gestão da empresa, mas também de seus encarregados, gerentes, diretores, sócios e controladores, tais atitudes, onde a dívida de um funcionário ou um diretor, significa pontos desfavoráveis a própria organização.
A má gestão da vida financeira particular irá repercutir de forma negativa dentro da organização e cabe a empresa a auxiliar seu colaborador a se organizar e sair desse problema, claro que, quando isso não é causado pela própria empresa por atrasos no salário...
Por mais de 15 anos fui diretor de uma empresa do segmento funerário e as dificuldades financeiras foram muitas, fornecedores receberam com atraso, mas sempre todos receberam, mas me orgulho de nunca os colaboradores deixaram de receberam em dia, podia atrasar aluguel, imposto entre outros, mas as famílias que dependiam da empresa, essas estavam resguardadas, e ao sair do segmento, não existia nenhuma dívida a ser quitada, inclusive as trabalhistas. O administrador de verdade, é aquele que administra o vermelho, pois o azul é para qualquer cabeça de bagre...
Assim dentro dos processos de qualidade, mesmo após os certificados pendurados na parede, cabe a organização manter e aprimora-los, e isso quando levado a sério, é muito mais difícil que conquistar.
Parabéns a todas as organizações que investem verdadeiramente nas certificações e cumprem com verdade os processos.
Saúde e Paz
 
Paulo Coelho

domingo, 10 de março de 2013

Funcionário de funerária é notificado por preparar corpos irregularmente

Fonte: Do G1 Vales de Minas Gerais - 09/03/2013 12h33- Atualizado em 09/03/2013 12h33
Corpo do jornalista estava sendo preparado no momento da abordagem. Funerária em Santana do Paraíso, nega a informação.

Funcionário de uma funerária em Santana do Paraíso (MG) foi notificado nesta sexta-feira (8), por preparar corpos de maneira irregular, segundo a assessoria de comunicação da Prefeitura. A Vigilância Sanitária chegou até uma residência, através de denúncias anônimas, onde o funcionário usava espaços da própria casa, como pia e mesa, para preparar os corpos.

Ao chegar no local, a equipe do Código de Postura do município, juntamente com a Vigilância Sanitária, constataram a prática ilegal do procedimento. Durante a abordagem, o corpo do jornalista Rodrigo Neto, morto na madrugada desta sexta em Ipatinga (MG), estava sendo preparado. O funcionário foi notificado, mas o valor ainda não foi divulgado.

Segundo a Polícia Militar, ninguém foi preso. A notificação será passada para o setor jurídico da Prefeitura para calcular o valor da multa.

Procurada pelo G1, o responsável pela Funerária Paraíso disse que nenhum funcionário foi notificado e que a informação não procede.

A preparação de corpos serve para garantir a segurança sanitária dos presentes em velórios, do meio ambiente, dos trabalhadores do serviço funerário.

A pratica deste serviço deve ser feito em local especialmente construído par tal fim, com piso e paredes especiais, revestidos de material impermeabilizante, com ventilação adequada, com instalações hidro sanitárias conforme normas as saúde, com produtos químicos devidamente registrados e aprovados para esta função e principalmente por profissional capacitado, tudo isso precedido de autorização da família para manipular o corpo, ainda mais quando se trata de método invasivo.
O local onde é descartado material infectado, seja solido ou liquido, deve ter tratamento especial, conforme norma da ANVISA, o que inviabiliza que este trabalho seja realizado em domicilio, devendo preferencialmente que a empresa funerária tenha sala de preparação de corpos para evitar contaminação de pessoas e ambientes.
Uma norma nacional que trate do assunto seria a solução para estes casos que hoje são omissos pelo poder concedente do serviço funerário.
Que esta atuação sirva de exemplo a todos  
Paulo Coelho

sábado, 9 de março de 2013

Corpo de Hugo Chávez será Eternizado



A importância de Hugo Chávez para o povo Bolivariano da Venezuela, não pode ser contestado, gostando ou não de sua forma de conduzir questões politicas e econômicas de sua nação e mundial.
A homenagem que deverá ser feita, com a criação do museu da revolução e a eternização do corpo através do processo de mumificação para apresentação, será uma forma de homenagem e reverencia para a eternidade.
Como já ocorrerá com outras celebridades e políticos do mundo, o Governo da Venezuela quer que Chávez também seja Eternizado, servindo como referencia a população.
Tutankamón, Ramsés, Nefertiti, no Egito antigo, Vladimir Lenin, Iosif Stalin, na Rússia, Mao Zedong, China, Kim Jong II, Corea do Norte, Evita Peron, Argentina, Ferdinand Marcos, Filipinas, todos estes de forma sitética, ou externa, através da utilização de técnicas cientificas de conservação.
Raras vezes ocorrem o fenomeno de conservação natural, que ocorreu no caso da Santa Bernadette de Lourdes, França, que após trinta anos de seu falecimento, ao ser aberto o sepulcro, o corpo estava intacto, sem que tivesse sido utilizado qualquer produto químico para tal conservação.  
 
Antes de tudo, deverá ainda ser escolhida a técnica de conservação mais apropriada, para garantir além da estabilização da matéria corpórea, a apresentação do corpo seja contemplada.
Poderá ser utilizado tanto a plastinação, que consiste em utilizar polímeros para manutenção da matéria, como método moderno da preservação de matéria biológica, criado pelo artista e cientista Gunther von Hagens que desde 1977, e que consiste em extrair os líquidos corporais, tal como como água, através de métodos químicos (acetona fria e morna), para o substituir por resinas elásticas de silicone e rígidas epóxicas.
Poderá ser utilizado também, material como os fabricados pela COMPLUCAD, que tem ótima conservação, com custo alto e que deve ter manutenção anual, e perda na qualidade da apresentação, mas que o seu tempo de execução é curto.
Ainda técnicas utilizando como base a glicerina, com componentes a base de formaldeído e acido fênico.
Independente da técnica utilizada o mais importante é a forma e o cumprimento dos protocolos a serem utilizados para garantir a eficácia do procedimento.
Paulo Coelho
Embalsamador - Tanatopraxista

sexta-feira, 8 de março de 2013

As mulheres funerárias

Cada vez mais percebe-se que o mundo esta ficando mais igualitário, vagarosamente, estas mudanças ocorrem, mas já podemos perceber, estas mudanças, como mostra disto temos a crescente inclusão cada vez maior das mulheres no segmento funerário mundial.
Poderia aqui enumerar agentes e diretoras funerárias no Rio Grande do Sul, Brasil, América do Sul e no mundo.
 
A entrada das mulheres neste segmento seda desde muito tempo, mas nos últimos anos temos cada vez mais a entrada e permanência delas, trazendo a sensibilidade , a determinação e a competência a um segmento que antigamente era dominada pelos homens.
No passado, não muito distante, o ramo funerário, era atribuição do Estado e como agente ainda tínhamos os apenados, que eram obrigados a trabalhar neste serviço que ninguém queria realizar.
Com a passar dos tempo, empresas passaram a explorar este mercado, mas apenas homens realizavam este trabalho.
Após 1990, muitas mulheres passaram a atuar como Diretoras Funerárias, algumas como Tanatopraxistas, passaram então a trazer uma visão mais humana a um segmento que apenas homens podiam atuar.
Hoje, além dos cargos de comando nas empresas, o que foi conquistado pela capacidade e dedicação, muitas vezes herdados, de família, outras tantas conquistadas através da compra ou abertura de novo negócio, o que apenas enobrece esta história de lutas e conquistas, passaram a ser admitidas também como agentes funerárias.
Esta conquista e na disputa com os homens, fez com que as empresas se tornassem mais humanas, sensíveis e acolhedoras, não que estes predicados não se encontrem nos homens, mas a mulher tem isso na sua essência, enquanto que o homem necessita exercitar isso a cada dia.
Por isso brindo neste dia, pela entrada da mulher, capaz, profissional, comprometida, sensível, neste segmento que foi transformado ao longo destes anos.
Feliz dia das mulheres, do segmento funerário ou de qualquer outro setor da sociedade, por esta data de luta, de conquista que já vieram e por todas as outras que ainda virão, pelo valor real que vocês têm na vida de toda sociedade evoluída.

Paulo Coelho

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Tragédia de Santa Maria, comprova ineficácia da segurança publica do RS

Com a conclusão preliminar que os Bombeiro não fizeram laudos como deveriam, que licenças da Prefeitura permitiram que a boate funcionasse de forma irregular, trouxe a tona problemas em decorrência destas falhas iniciais que foi no momento de o atendimento da ocorrência do incêndio, pela falta de pessoal e material em número suficiente para não expor civis ao perigo de resgate sem a devida preparação.

Que o Estado não investe em setores como segurança, saúde e educação o que deveria, é mais que sabido.

No caso da segurança que é o que esta mais em evidencia neste momento pós traumático em virtude do ocorrido em Santa Maria RS, podemos registrar dois aspectos que retratam muito bem esta situação que necessita ser modificada.

No ano de 2000 foi assinado pelo Sindicato das Funerárias do RS e o Governo do Estado do RS, convenio para organizar e coordenar o sistema de remoções de corpos vitimas de mortes violentas e suspeitas, ocorridas no Estado, com exceção de Porto Alegre. Este convenio que foi um marco para moralização e organização deste serviço no interior foi criado de forma gratuita para o Governo Estadual, sendo arcado pelas empresas envolvidas no processo, através de um sistema de rodizio para as remoções. Convenio este renovando em 2004, e teve seu ápice com mais de 580 empresas dentro do sistema em 2007, agilizando o serviço a comunidade e tirando do Estado a obrigação que ele tem de transportar os corpos para necropsia, vitimados por causas externa, suspeitas ou violentas.

O Estado alega não ter condições de dispor de veículos e pessoal para fazer este trabalho, lembramos ainda que muitos postos do Departamento Médico Legal, funcionam em Cemitérios, Hospitais e Universidades, através de cedência de local de entidades públicas e no passado até privada, algumas com fins lucrativos e similares ou com interesses no resultado no serviço do DML. No caso de Santa Maria por exemplo, os corpos falecidos, não foram ao Posto do DML, por este não ter estrutura para receber a demanda, assim como o transporte que foi feito por caminhões frigoríficos até o ginásio, mostrando falta de condições técnicas para o funcionamento do sistema.

Já melhorou muito desde que se criou o sistema, mas o Estado não tem previsão de investimento para terminar com este serviço através da despesa das empresas funerárias.

Outro ponto que exemplifica esta falta de investimento é a SVO – Serviço de Verificação de Óbito,  em Porto Alegre o prédio no fundo do DML, junto ao Palácio da Policia, esta pronto a mais de três anos, mas não há investimento em pessoal e equipamento para inicio das atividades deste serviço. Atualmente cerca de 40% dos exames necroscópicos realizados nos cadáveres que ali são trazidos não tem necessidade de ser submetido a este procedimento. Lembrando que há portaria em vigor do Conselho Federal de Medicina e outra conjunta da Secretaria da Saúde e da Segurança Pública do Estado do RS, que proíbe que o DML – Departamento Médico Legal, realizar necropsia em cadáver que não proveniente de morte suspeita ou violenta, o que vem sendo desrespeitado a muitos anos.

Poucos são os locais no Brasil onde o transporte de cadáveres não é feito por empresas funerárias, as suas custas e ainda menos são os locais que o Serviço de Verificação de Óbito – SVO, estejam funcionando.

Esta na hora de mudarmos esta realidade, o estado tem que assumir seus compromissos, fazendo jus ao que nos é cobrado na forma de impostos.

Enquanto isso a população sofre por serviços ineficientes e muitas vezes feitos por voluntários sendo expostos a riscos que não poderiam.

 

Saúde e Paz

 
Paulo Coelho

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Tragédia em Santa Maria, agilidade demasiada nos sepultamentos.

Hoje, passados três dias do ocorrido em Santa Maria, cumprida minha missão de auxiliar naquela localidade dando suporte material, humano e técnico, passo a encarar o ocorrido como cidadão, refletindo sobre causas e conseqüências, buscando explicações sobre o que acompanhei, seja pelo noticiário, ou no local junto ao ginásio de esportes da cidade.

Desde as primeiras horas da manhã de Domingo ao acompanhar a reportagem na rede Globo e Globo News, fui tomando por grande tristeza como todos que souberam, de forma pratica e na busca de auxiliar meus colegas de Santa Maria e do restante do Estado, fiz contato com as empresas AM Brum e Cauzzo, me colocando a disposição, assim como os produtos do Laboratório São Carlos de Somatoconservação.

Ainda assistindo as reportagens, ouvi o Cel. da Brigada Militar – Corpo de Bombeiros – GUIDO, afirmando categoricamente rede nacional que havia superlotação do local, que os ocupantes foram impedidos de sair até que pagassem as comandas, que fora utilizado artefato pirotécnico no local que ocasionara o incêndio, que os extintores não estavam funcionando, tudo isso por volta das 10 horas da manhã.

Foi montado a central de crise com os comandos do IGP, Policias Civil e Militar, Secretaria da Saúde e Prefeitura, com certa agilidade, que conforme noticiado por volta das 12 horas.

Por volta deste mesmo horário os corpos estavam praticamente todos no ginásio de esportes da cidade, aguardando o reconhecimento e as devidas liberações, que se iniciaram próximo às 14 horas.

Fora montado neste local uma verdadeira força tarefa multidisciplinar com médicos, psicólogos, enfermeiros, policiais, agentes funerários e muitos voluntários.

Já no inicio desta mesma da noite alguns corpos já estavam sendo sepultados em Santa Maria, muitos outros viajavam para suas cidades para homenagens e posterior sepultamento.

Enquanto alguns familiares decidiram velar seus entes no próprio ginásio, outros optaram por fazê-lo em capelas da cidade.

As liberações era feitas de forma dinâmica, podendo chamar até de frenéticas, corpos e mais corpos, passam entre as diversas barreiras de contenção que havia entre os ginásios, com urnas funerárias sendo levadas de um lado para o outro, ora vazias, e ora já com mais um corpo.

No terceiro ginásio, agentes funerários vestiam os corpos, enquanto voluntários seguravam lonas pretas para evitar o constrangimento de quem passava por perto, enquanto eram vestidos os corpos, noutro canto do mesmo galpão, famílias velavam seus entes e amigos.

No cemitério municipal, homens trabalhavam para construir e limpar sepulturas a fim de abrigar um contingente de novos hospedes equivalente a quase um mês normal naquela cidade.

Na tarde de segunda feira, terminava o velório coletivo do ginásio, passando a ser desmontada a estrutura improvisada que ali havia.

O que pude perceber de forma muito clara e positiva é que a solidariedade tomou conta do Pais, Estado e principalmente do Município, pessoas se doaram de forma poucas vezes vista.

Do ponto de vista negativo aponto algumas questões para refletirmos.

1- declarações feitas em momento indevido, poderiam trazer ainda mais trauma a cidade e seus moradores;

2- a agilidade nas liberações nem sempre é eficaz, ainda mais nestes casos onde o Luto deve ser trabalhado, elaborado, deveriam ter dado tempo as famílias para sofrer o momento da perda, com velório de tempo mínimo de doze horas;

3- todos os corpos antes de serem liberados deveriam ter sido submetido a processo de higienização e conservação, pois a aparência é fator importante para evitar ou diminuir questões traumáticas;

4- a emissão das Declarações de óbito no local para facilitar os registros de translados;

Já em outra esfera tivemos prisões preventivas decretadas, sob a alegação de facilitar as investigações, ou seria por clamor público?

Qualquer uma das justificativas entendo que serviu assim como as declarações do Bombeiro relatada no inicio, para desviar o foco.

O foco da questão é se houve irregularidade no município na liberação do local, ou se os bombeiros vistoriaram de forma correta o local.

Apenas no segundo momento, após a conclusão do inquérito será possível ter as respostas e apontar os culpados, e ainda assim, com o direito a ampla defesa dos envolvidos.

Hoje pela manhã acompanhei o pronunciamento de outro oficial do Corpo de Bombeiro, com muita coerência, cautela ponderou muitos pontos e justificou outros dizendo que ao seu tempo deve s avaliar tudo que aconteceu. Igualmente o Delegado Regional da Policia Civil, que informava que há muito que se investigar para concluir o inquérito.

Com as liberações e sepultamentos muito rápidos, o objetivo estava em se mostrar solidariedade para as famílias, contudo isso poderá trazer traumas e seqüelas a curto, médio ou longo prazo, pela falta da elaboração correta do luto.

Há fazes a serem superadas durante a perda, Negação, Perseguição, Aceitação, tendo estas como básicas, há profissionais Psicólogos que apontam como havendo sete e não três, que entendo ser um desdobramento destas principais, mas o mais importante é que se faz necessário um tempo mínimo para iniciar este processo e mudanças de fazes.
O momento do choro no velório é único, e deve ser feito ali, ao lado do corpo sem vida, é a forma que se inicia o processo da perda e do luto, por tudo que ocorreu isso também foi tirado de forma não proposital destas famílias e dos amigos.

A partir de hoje, as autoridades tem todo tempo do mundo para buscar causas para as conseqüências, alem dos culpados, espero se constatado negligencia, imprudência ou imperícia de quem quer que seja, setor privado ou público, que estes recebam o que a lei determine.

Quanto aos ainda internados esperamos que corra tudo bem, pois estão sendo tratados com o que há de melhor em nosso País, com a solidariedade de outros paises.

Percebo que saí diferente do que quando entrei neste episódio trágico de Santa Maria, isso como profissional, cidadão e pai.

Com este artigo encerro este episodio, esperando que na venhamos mais passar por isso.



Saúde e Paz



Paulo Coelho







domingo, 27 de janeiro de 2013

Tragédia em Santa Maria, traz a tona uma discução

O Brasil esta preparado para enfrentar casos como este ocorrido em Santa Maria?
foto:folhadoserao.com.br  
A resposta é não, nenhuma cidade consegue absorver um elevado número de ocorrências como esta, seja para atender feridos, seja para falecimentos.
Na maior cidade da américa do sul, São Paulo, onde ocorrem mais de 300 óbitos dia, se ocorrem um acidente de proporções da magnitude deste do centro do estado do Rio Grande do Sul, ou como aquele do voo da TAM, também sofreia para atender esta demanda. Considerando ainda que a proporção do tamanho da cidade é ligado ao número de pessoas que estarão nas casa noturnas, que é o que se trata no momento, quanto maior a cidade maior o risco.
Significa que se numa casa noturna em Santa Maria, por exemplo, a capacidade é para 1000 pessoas, em Porto Alegre poderá ser de 2000, e em São Paulo, poderá ser para 5000, o que dificulta muito mais, quanto maior o tamanho da cidade, considerando que os jovens tendem a estar nos “lugares da moda”.
Mas isso também serve para casos de desastres aéreos, marítimos e terrestres, que podem vitimar muitas pessoas numa única vez.
O melhor é combater tais possibilidades através de normas de seguranças e protocolos, mas quando ocorre o pior o que fazer?
Hoje, no Brasil não temos nenhum programa para amparar estas situações de crise de forma completa e multidisciplinar, o que deveria ser criado com urgencia, um programa com a defesa civil nacional e regional, serviços de psicólogos especializados em perda e luto, com IML/DML e Tanatopraxistas – profissionais que cuidam da preparação e conservação de cadáveres -, todos formando uma força tarefa, que sejam convocados e mobilizados, sendo levados para o local que os necessitem. Esta força tarefa poderia ser semelhante a equipe de desastre em terremoto que existe no México. A voluntariedade pode ser uma forma de viabilizar esta construção.
Acredito que mesmo o Exército Brasileiro, Marinha e Aeronáutica, em missões no Brasil e no exterior deveriam ter Tanatopraxistas em seus quadros, para que em caso de necessidade, possa repatriar seus militares.
Cabe ao Governo Federal pensar nestas questões que pode ocorrer a todo momento, por mais que haja trabalho de prevenção, para que no momento de necessidade a população tenha suporte, no mínimo para receber seus corpos para velar e se despedir de forma ágil e sem riscos a salubridade publica, sei que esta declaração pode perecer simplista, mas tenham certeza que dentro desta situação de perda, uma das formas de amenizar a dor é através da despedida digna de seus familiar, mesmo sabendo que a dor permanecera, mas que o luto inicia a ser elaborado, com este momento, encerrando este ciclo inicial.
Saúde e Paz
 
Paulo Coelho

Mobilização e Solidariedade para amenizar a tragédia em Santa Maria RS

foto: site G1.com
Autoridades como Prefeito, Governador do Estado e Presidente da Republica se dirigem a cidade para prestar solidariedade, que é um fato que deve ser elogiado pela demonstração de carinho e respeito por quem perdeu familiares e amigos nesta tragédia ocorrida em Santa Maria.
A Associação Brasileira de Tanatopraxia, e ANEF, desde sedo, fez contato com duas empresas da cidade para se colocar a disposição para auxiliar com serviços técnicos e produtos. O objetivo é possibilitar a eficaz preparação e conservação dos corpos.
Em momentos de consternação a união e mobilização é o mais importante para amenizar a dor dos envolvidos.
Neste domingo, 27/01/13, a cidade de Santa Maria – região central do Rio Grande do Sul, sul do Brasil, acorda sob o impacto da noticia de mais de 90 mortes numa casa noturna, que se iniciou por volta das 02:30 horas da manhã.
Por volta das 09:00 horas, já chegava a 180 mortes e mais de 60 feridos sendo atendidos nos hospitais e Posto de Saúde do município.
As 10:45 chegava a 200 óbitos.
Antes do término deste artigo, 11:15, já chegava a 245 óbitos, para nossa consternação.
Como sabemos, a demanda de uma cidade como Sta. Maria tem demanda mensal próxima a 400 óbitos mês, significa que num dia apenas ocorreu um número muito maior que a capacidade das empresas.
O DML – Departamento Médico Legal, que realiza pouco mais de 15 atendimentos mês, terá uma demanda absurda, mesmo que o caso de necessidade seja basicamente de Verificação da causa, sem necessidade de abertura craneana, conforme protocolos, mas a identificação dos corpos irão ocasionar a maior demora nas liberações.
O Plantão dos cartórios e o tempo destes registros serão outro fator de demora.
As preparações destes corpos será em média após posto no local de preparação de quatro horas, para higienizar e preparar, sem que haja necessidade de reconstituição especial.
Para esta demanda o ideal seria uma força tarefa de mais de 100 profissionais e material adequado para Tanatopraxia, onde todos os corpos deveriam passar pelo processo de estabilização da matéria, por questões sanitárias e de apresentação.
Isso significa que até no mínimo quarta feira, ainda estaremos vivendo estes momentos de angustia, velório e sepultamentos.
Como não há pessoas suficiente nas empresas – numero de profissionais, o ideal seria a convocação de voluntários que pudessem ajudar nestes casos extremos.
Queremos deixar aqui registrado nossa dor como brasileiro e gaúcho, por estas perdas, desejamos a todos muita força para superar este momento, que nos sirva para alertar sobre locais de festas e aglomeração de pessoas.  
Saúde, Paz e Força a todos nós!
 
Paulo Coelho

domingo, 25 de novembro de 2012

Uma das premissas do Líder é a verdade




Quando se falar em liderar pensa-se em conduzir pelo exemplo, a quem necessita de auxilio para o desenvolvimento para alcançar o pleno desenvolvimento.
Quem esta numa posição abaixo do líder não é necessariamente menos que o primeiro, pode ser o mais novo, não apenas em idade, mas na organização, pode ser o menos experiente dentro do processo, com isso a forma com que se trata do colaborador mais moderno muitas vezes pode ser a menos apropriada. Assim quem esta chegando deve ser tratado sempre com carinho, respeito, quem sabe pode ser seu chefe amanhã!
foto internet - google/imagens

O bom líder, e todos os verdadeiros líderes são bons, devem observar com isenção a todos que fazem parte de sua equipe e trabalhar suas potencialidades, mas sempre pautado pelo bem maior que pode existir em qualquer relacionamento entre humanos, que deve ser a VERDADE.
A verdade é o que possibilita que conhecidos se tornem amigos, que amigos se tornem irmãos e assim por diante.
A verdade dentro da empresa deve portanto ser o norte, ou seja, aquele fator que sem ele perde-se o rumo.
Não existe mentira do bem, não é mentira eticamente aceita, a verdade é absoluta, não há meia verdade, ou ela é ou não é, simples assim, qualquer coisa diferente da verdade é mentira, mesmo que a verdade não seja absoluta, que a verdade para um individuo pode não ser a mesma para o outro e esta sim é a grande dificuldade de se estabelecer, normalmente é o que leva a grandes discussões, filosóficas, que não buscamos encerrar neste breve artigo, o que queremos é entrar no tema para questões mais simples, da falta da verdade clara, que leva prejuízos para todos os envolvidos.
Muito se investe em atendimento ao cliente, vendendo ideia de qualidade, com ISSO, PGQP e muitos outros indicadores de qualidade, onde o VERDE, sustentabilidade e muitos outros são preconizados, mas quando se olha o que ocorre no interno percebesse que não há esta cultura no interior dos colaboradores que são chamados assim para fora, mas ainda são tratados como empregados, no pior sentido da palavra – servil.
Lembro de um filme sobre atendimento feito na década de 1970 a cena mostrava um escritório com muito papel sobre as mesas, quando tocava o telefone o chefe atendia, com voz atenciosa e tratava o cliente com muito respeito, tudo muito bem feito, cordialidade, prestativo... nisto o cliente faz uma pergunta e ao procurar na mesa não encontra o documento que necessitava, então apela para o subordinado, meio tapando o bocal do telefone.... CADÊ A PORCARIA DAQUELE PAPEL QUE O CARA TÁ ME PEDINDO, VAMOS ANDA LOGO.... volta ao telefone e diz ao cliente, - amigo estou localizando aqui e já te retorno, pode ser me dê alguns minutos.
O que o dialogo nos mostra é que nesta empresa havia duas formas de tratar os clientes, uma os clientes externos, muito cortes, atencioso e outra com falta de respeito e cordialidade que se dirigia aos clientes internos.
Isso mesmo tendo sido retratado nos a mais de quarenta anos, ainda hoje ocorre e esta falta de verdade é uma constante, desde a os comentários feitos ao desligar o telefone, após falar com o cliente seja interno externo, chefe, colega, com comentários do tipo “é uma mala”, “é burro que dói e é meu chefe”  e assim por diante.
Pior ainda quando mostra-se que a empresa é assim, o diretor trata o cliente e logo após a saída fala mau deste, mostrando aos “empregados” que aquilo tudo é uma farsa, diferente de teatro, farsa é mentira enganação, teatro é fazer o cliente sentir-se bem, falando o que ele necessita ouvir mas de forma verdadeira, se é possível falar aqui fala, se não é melhor não dizer nada.
Para exemplificar vou usar o tema telefonia:
Temos três empresa no mercado uma com cobertura, a segunda com aparelhos e a terceira com preço.
O vendedor trabalha na que tem a melhor cobertura, logo vai explorar este aspecto para aqueles clientes que necessitam deste serviço, enfatizando o ponto, mesmo que este não necessite tanto assim disto, mas mostrando que o que se necessita ao adquirir telefone o que se buscar e falar com as pessoas, logo o que importa é a rede!
Ao sair desta empresa e entrar na segunda, que é a que melhor oferece aparelhos, tem que deixar claro que os aparelhos são o que mais se tem de importante e que apenas se o cliente andar em áreas remotas terá alguma dificuldade de sinal, mas se estiver de carro isso será por muitos, contudo ao analisar a conta, percebe que o deslocamento é urbano, o que não fará diferença e ele estará com o equipamento de ponta e com custo muito menor, dando-lhe status e economia.
Se novamente trocar de empresa entrando na terceira empresa, deverá explorar o valor do minuto, mostrando que o aparelho ele compra com a economia da conta e sem o problema da fidelidade, que tanto prende os usuários, que o valor cobrado é o menor e que isso lhe dará liberdade...
Bem o que quero dizer é que é possível dizer a verdade sempre, não precisa inventar, apenas mostrar os pontos fortes e ao ser perguntado sobre os falhos falar a verdade, isso não temos, isso não podemos e justificar o motivo de forma objetiva, a verdade conquista e até mesmo encanta o cliente.
Isso vale para a vida tanto pessoal quanto profissional, a verdade mantem tudo na luz, é a melhor escolha para uma solida relação entre pessoas – pessoas, empresas – pessoas, empresas – empresas, muitas vezes esta mudança de habito é difícil, mas pode ter certeza absoluta é o inicio da solidez das relações.
Viva com a verdade que dá menos dor de cabeça, pois a mentira para ser mantida necessita de muitas outras para encobrir a outra e isso leva a mais outra... a Verdade basta apenas falar, sem bolar planos mirabolantes.
Saúde e Paz

Paulo Coelho

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Nova tecnologia torna possível dissecar cadáver virtualmente

24 de maio de 2012 10h58 atualizado às 13h28  Foto: Divulgação/BBC Brasil – terra.com.br
Equipamento tem o mesmo tamanho de uma mesa de operação normal, mas não envolve sangue nem bisturis


Uma tecnologia pode representar o futuro, tanto para o ensino de futuros médicos sobre anatomia quanto na preparação para operações reais. Há nove meses, o Imperial College e o Saint Mary's Hospital, de Londres, compraram em parceira uma mesa de operação touchscreen, que permite dissecar e reconstituir um "corpo humano" (como colocar órgãos de volta, reimplantar ossos, etc), tudo através de uma realidade virtual.

O equipamento é o primeiro do tipo na Europa e custou o equivalente a cerca de R$ 180 mil. Tem o mesmo comprimento e tamanho de uma mesa de operação normal. O "cadáver" que aparece na tela, apelidado Melanie, é um representação virtual criada a partir de uma combinação de gráficos e digitalizações reais do corpo humano.

Estudantes e cirurgiões podem interagir com o corpo, quer através do toque ou com um mouse tradicional. A pele pode ser removida para expor os órgãos internos, as áreas podem ser ampliadas para um estudo mais detalhado, e o software pode trabalhar com dados de pacientes reais. Não há sangue, não há necessidade de bisturi ou outros instrumentos médicos.

Atualmente as escolas de medicina e de saúde em geral, sofrem para falta de cadáveres humanos para treinar os futuros profissionais.

Alguns levantamentos feitos pelo nosso blog, foi possível perceber que as faculdades recebem em média menos de um cadáver por ano, o que significa que a matéria prima para aulas de anatomia principalmente, é disputado centímetro a centímetro pelo alunos.

Numa faculdade que tem curso de medicina, nutrição, fisioterapia, por exemplo, este cadáver deve ser dividido por mais de 120 alunos por semestre, o que inviabiliza o estudo pratico da matéria.

Há quem diga que faculdades como a Federal do Rio Grande do Sul, tem cadáveres com mais de 30 anos no laboratório de anatomia.

O tempo de utilização de cada cadáver pelas escolas é de no máximo cinco anos, mas em virtude da escassez estes passam a ser utilizado por muito mais tempo.

A qualidade dos exemplares conservados nestas unidades, também é um ponto a ser observado, pois, os métodos tradicionais utilizados imersão em tanques de formol, que queima o tecido enrijecendo músculos e pele, é outro fator que dificulta o aprendizado.
Exemplar antigo
Recentemente o Laboratório São Carlos, em consultoria a Faculdade Fátima de Caxias do Sul, preparou dois exemplares de corpos doados a esta instituição, que receberam preparação especial e que mostrou muito superior aos existentes nas escolas em geral.
Aparelho com órgãos e vísceras de cadaver com mais de 60 dias de óbito conservado em técnica e produtos do Labotório São Carlos
Desenvolvidos através de técnica exclusiva e produtos especiais pelo Laboratório São Carlos de Somatoconservação, os corpos mantém a aparência e a textura natural, possibilitando maior definição de tecidos e estruturas.
Corpos feminino com mais de 60 dias de óbito, preparado e conservado com técnica e produtos do Labotório São Carlos - imerso em conservante
Enquanto a tecnologia virtual apresentada não chegar no Brasil, esta possibilidade de utilização de corpos nos moldes que foram apresentados a Faculdade Fátima de Caxias do Sul, é a melhor alternativa, tendo em vista o custo beneficio.

As faculdades que quiserem maiores informações sobre a técnica, poderão fazer contato através deste blog.


O incentivo a doação de corpos para universidade também é um tema que passaremos a enfrentar aqui neste espaço com maior frequência.

O segmento funerário também sofre com esta escassez, uma vez que necessita ainda mais que as faculdades, que podem utilizar estes corpos por anos a fio, diferente do segmento funerário que necessita para realização de um curso de 60 horas, e próximo a 40 de pratica, cerca de vinte corpos, o que inviabiliza muitas vezes a existência de cursos práticos, o que através deste novo programa poderia permitir o estudo de algumas praticas sobre anatomia.

Vamos aguardar o futuro e a viabilidade econômica deste serviço.



Saúde e Paz


Paulo Coelho

      

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Museus realçam o serviço Fúnebre

Museus na Rússia e nos Estados Unidos reúnem artefatos do mundo fúnebre.


Este museu para a cultura funerária foi aberto na cidade de Novosibirsk na Rússia por um empresário local. A por volta de 10 mil exposições dedicadas às tradições funerárias do século 19 neste museu.

O Museu Nacional de História Funeral, dos Estados Unidos, que entre muitas outras atividades reúne exposição sobre a vida e a morte dos Papas.
Sob o nome de:
Celebrando as Vidas e Mortes dos Papas

Celebrando as Vidas e Mortes dos Papas inclui uma réplica em escala da cripta Papa João Paulo II, uma reprodução exata do caixão usado nos funerais de três Papas anterior, bem como réplicas de outras vestes papais pela alfaiataria que fez os paramentosdos últimos sete papas.

Os visitantes da exposição também será capaz de ver dois uniformes autênticos usados ​​por membros da Guarda Suíça (responsável pela segurança pessoal do Papa e da protecção do Vaticano), bem como a Popemobile real usado pelo Papa João Paulo II durante sua visita à Reino Unido em 1982.

Completam a exposição estão fotografias dos funerais de Pontífices diferentes fornecidos pelo Vaticano, juntamente com recriações exatas de itens colocados em seus caixões.

Um verdadeiro sentido de atender o funeral de um Papa

Medindo 5.000 metros quadrados, Celebrando as Vidas e Mortes dos Papas apresenta som premium e iluminação, cenas tridimensionais e de áudio e visual apresentações multimídia para fornecer os visitantes com um verdadeiro sentido de atender o funeral de um Papa. A exposição permite aos visitantes caminhar por suas várias secções, experimentando as várias fases de preparação para os serviços finais e enterro de um papa.

Celebrando as Vidas e Mortes dos Papas é um produto de três anos de intensa colaboração entre o Vaticano eo Museu Nacional de História Funeral. O museu também completaram uma expansão 10.500 metros quadrados de seu edifício existente para acomodar a exposição.

Pela riqueza de etnias, e miscigenação cultural, o Brasil poderia ter um grande acervo para contribuir na construção de um grande Museu.
Temos em Pelotas – RS, um dos últimos grandes centros de Pompa Fúnebre do Brasil, onde carruagens e cavalos brancos eram usados para os cortejos.
Os paramentos fúnebres eram levados em veículos enormes e especiais, tamanho eram os apetrechos que compunham a montagem dos velórios nos domicílios.
O prédio da Empresa de Pompas Fúnebres Moreira Lopes, por exemplo, na cidade de Pelotas-RS é um exemplo do que havia na época e seria um belo local para abrigar um museu.
Lanço a ideia, para os grandes empresários do segmento analisarem e quem sabe iniciar um processo a médio longo prazo.

Saúde e Paz
Paulo Coelho